Sacola de Compras

* Calcule seu frete na página de finalização.

* Insira seu cupom de desconto na página de finalização.

13/09/2022

Dia da cachaça - 13 de setembro 2022 - Tudo sobre a cachaça - By Uol

Pinga que arde é ruim? Tome doses de curiosidades neste Dia da Cachaça.

 

Há muito a cachaça deixou de ser vista como bebida de segunda classe e passou a frequentar os balcões das melhores barras de coquetelaria do país. Ou as cartas de estabelecimentos — bares e restaurantes — especializados em oferecer uma quantidade sideral de rótulos, produzidos no Brasil, da Amazônia aos Pampas. 

Por preconceito ou falta de atenção, porém, há certa falta de conhecimento sobre nosso destilado mais popular. As maneiras de se produzir cachaça são tantas que é preciso um bocado de estudo e dedicação para dominar o assunto, se a vontade é a de se tornar um especialista.

Se o caso é só beber, sentir aromas e sabores diferentes, e ser feliz, não há motivo para tanta preocupação. 

Um pouco de cultura sobre a cachaça, no entanto, não ocupa espaço e pode tornar sua experiência com a caninha ainda mais proveitosa e divertida. No 13 de setembro, Dia da Cachaça, conheça um pouco mais sobre suas peculiaridades e sua história.

 

 

A cachaça tem muitas cores e sabores

 

Todo mundo sabe que há cachaça branca, amarela, dourada e algumas de coloração bem escura. Essa variedade de matizes tem a ver com o tipo de madeira em que o destilado é armazenado e envelhecido. 

 

Nesse quesito, o Brasil é campeão: os produtores de cachaça têm permissão de envelhecê-la em mais de 30 tipos de madeira. 

 

Os barris onde descansa não vão determinar apenas a cor do líquido, mas seus aromas e sabores, que também sofrem influência do tipo de cana-de-açúcar utilizada, das condições climáticas e de solo de cada região e dos estilos de fermentação e de destilação do caldo de cana.

Passear pelos tipos de cachaça é um caminho quase sem fim. Além da branquinha, você pode optar por uma bebida envelhecida em jequitibá, que traz notas sutilmente doces, lembrando baunilha. 

A amburana, bem popular, acrescenta ainda mais dulçor à cachaça e um toque fortemente amadeirado. Bálsamo dá um caráter de ervas e especiarias ao líquido.

 

 

A madeira pode esconder defeitos

 

Usar madeira em envelhecimento de cachaça pode não ser exatamente uma virtude. Muitos produtores lançam mão desse recurso justamente para esconder a falta de qualidade do seu destilado base, sobretudo com madeiras bastante intensas, como carvalho e amburana. 

Uma dica dos especialistas para analisar a qualidade de um produtor é sempre começar pela cachaça branca, antes de provar as envelhecidas. O líquido sem passagem por madeira mostra a bebida como saiu do alambique, sem maquiagem.

 

Cachaça que arde é ruim?

A cachaça pode arder na goela por alguns motivos e um deles é a falta de qualidade da destilação. Outro pode ser a sensibilidade (temporária ou crônica) do seu organismo ao álcool, o que facilita a queimação no esôfago, seja com cachaça, vodca ou tequila.

 

 

Bebidas mal elaboradas, com alta concentração de etanol, costumam causar a sensação de que você está engolindo lava vulcânica. 

Por isso, a culpa não é da cachaça em si, mas de determinadas marcas mequetrefes. Há, porém, estilos mais ácidos de cachaça, dependendo da região de produção. E a acidez de uma bebida não é propriamente um defeito.

 

 

Como identificar uma cachaça de boa precedência?

A cachaça ideal para você é a que lhe traz prazer sensorial. Ponto. Mas é preciso tomar cuidado com destilados de origem duvidosa. Sabe a "cachacinha artesanal que o seu Zé faz lá no sítio do vizinho da sogra do meu primo", que chega numa garrafinha pet? Fuja. 

Destilados mal elaborados, com alta concentração de etanol, podem causar cegueira e até matar. Melhor escolher suas bebidas, cachaças e outras categorias, em empórios e e-commerces bem conceituados. 

Há muitos alambiques clandestinos e a falsificação de bebidas também é um problema sério no Brasil. Portanto, é importante certificar-se de que você compra de revendedores ou produtores idôneos.

 

 

Cabeça, coração e cauda: que história é essa?

Um produtor preocupado em elaborar um destilado de excelência deve desprezar a primeira parte da destilação — a cabeça, que carrega várias substâncias nocivas ao organismo, incluindo a alta carga de etanol.

O coração da cachaça é mais livre de impurezas, é a "pinga da boa". O final da destilação, chamado de rabo ou cauda, tem menor concentração de álcool e também deve ser desprezado. 

Produtores cuidadosos costumam dar bastante atenção a esse processo, para colocar na garrafa o que de melhor a destilação possa entregar — o coração da cachaça. Embora haja exceções à regra, é geralmente mais negócio degustar cachaças de pequenos e bem conceituados produtores, em doses comedidas. A sábia combinação: beber menos e melhor.

 

 

Se é cara, é boa?

 

Alguns produtores esmeram-se em produzir cachaças com longo tempo de envelhecimento, misturando líquidos de vários barris até chegar o blend que consideram único e especial. É claro que esse cuidado e o tempo de elaboração vão estar refletidos no preço. O processo de envelhecimento é mais caro do que tirar a cachaça branca do alambique e engarrafar.

Em muitos casos, porém, o alto custo de uma cachaça engarrafada em cristal está mais relacionado ao luxo e ao status que o produto pretende carregar. Como um vestido da mais alta grife, o preço embute o prestígio e os sonhos de consumo que aquela marca representa.

Há muitas cachaças envelhecidas de grande qualidade por menos de 100 reais no mercado. No caso das brancas, por até menos de 50 pratas. Caso não saiba por onde começar, converse com um bartender ou sommelier de confiança para pegar algumas dicas. Rankings sérios como o da Cúpula da Cachaça, lançado anualmente, também são um bom parâmetro de escolha.

 

 

Cachaça da boa serve para fazer coquetéis?

Quando você quer impressionar os amigos com suas artes culinárias, não escolhe os melhores ingredientes para fazer a receita? Na coquetelaria não é diferente. Um bom destilado trará melhores resultados, desde que você respeite as técnicas de preparo e opte pelo estilo de cachaça adequado para cada coquetel.

Uma cachaça bem amadeirada é bacana para tropicalizar receitas que levam destilados gringos. Você pode substituir o bourbon do Boulevardier por uma boa cachaça envelhecida em amburana ou carvalho. Uma cachaça de bálsamo, bem botânica, vai bem no lugar do gim do Negroni.

Se quer uma Caipirinha ou outro estilo de drinque refrescante, tipo doce-azedo, tipo Mojito, é legal buscar uma cachaça branca ou com passagem por madeira mais leve, como o amendoim.

 

 

Ela já foi proibida no Brasil. E deu briga!

 

O 13 de setembro, instituído em 2009 como Dia da Cachaça, remonta a uma revolta ocorrida no século 17, na cidade do Rio de Janeiro.

Com o declínio das exportações de açúcar, os donos de engenho apostaram pesado na produção do destilado de cana. A Coroa Portuguesa não gostou e, em 1659, proibiu a produção da cachaça, que concorria com o comércio de seus próprios vinhos e aguardentes.

No ano seguinte, os vereadores da Câmara do Rio sugeriram que fossem cobrados impostos sobre a venda da cachaça. Sua produção e eu contrabando eram difíceis de serem combatidos, embora alambiques tenham sido destruídos a mando de Portugal.

Não houve acordo: os fazendeiros da região depuseram o governador da capitania e "elegeram" seu próprio líder.

Houve uma série de conflitos (armados, inclusive) na disputa entre rebeldes e fiéis à Coroa, novas deposições e penas de morte. No final das contas, os revoltosos foram perdoados e a rainha Luísa de Gusmão, de Portugal, liberou a produção e a comercialização da cachaça no Brasil. Lançou a ordem régia no dia 13 de setembro de 1661.

 

 

Ela também foi símbolo de independência

Os líderes da Revolta da Cachaça preferiram brindar a vitória com vinhos portugueses, que consideravam superiores ao próprio destilado que produziam. A cachaça foi mesmo tomada como símbolo de brasilidade por outro movimento rebelde que aconteceria no século 18.

A cúpula da Inconfidência Mineira, que queria ver o Brasil independente, bebia cachaça para demonstrar repúdio à Coroa do Portugal.

 

Tiradentes, o mais célebre inconfidente, teria dito "molhem minha goela com cachaça da terra" antes de ser enforcado.

 

Em 1817, a cachaça também simbolizou o nacionalismo, sendo a preferida dos líderes da Revolução Pernambucana, que boicotava os produtos de Portugal.

 

 

De onde ela veio?

A cachaça é brasileira, ora essa. A hipótese mais provável de seu nascimento é a de que, já dominando as técnicas de destilação, os colonizadores portugueses tenham feito experiências com o caldo de cana fermentado e gostado do resultado.

Afinal, cana era o insumo abundante que tinham à mão, na falta das uvas com que faziam suas bagaceiras europeias.

As palavras cachaça e cachaza já existiam no vocabulário da Península Ibérica. Produzido com cana, foi o primeiro destilado a surgir na América Latina. Embora haja controvérsias sobre a data e o local de nascimento, é provável que tenha aparecido entre 1516 em 1532, em algum engenho do litoral brasileiro.

Os historiadores trabalham com hipóteses distintas sobre o berço da primeira cachaça. Há uma versão de que ela teria nascido entre 1516 e 1526 em Itamaracá, Pernambuco. Outra dá conta de que teria surgido em 1520, em Porto Seguro, Bahia. O historiador Câmara Cascudo, na obra "Prelúdio da Cachaça", crava São Vicente, São Paulo, e 1532, como o local e a data mais prováveis.

 

Saiba como identificar uma cachaça de boa precedência

Imagem: Getty Images/iStockphoto

Sergio Crusco Colaboração para Nossa

13/09/2022 

Conteúdo compartilhado na íntegra do site uol.com.br

Veja mais em uol.com.br 

 

  • Por: R$ 13,90
    Comprar

    AGUARDENTE 51 965ml

    Feita para ser apreciada em doses e drinks. Cada etapa do processo produtivo da cachaça é feito cuidadosamente pela 51. Desde o preparo do solo, passando pela escolha da cana até a destilação. Sabor, aroma e equilíbrio, que une excelência, boas práticas e

  • Por: R$ 62,00
    Comprar

    AGUARDENTE DE JAMBU JÓS 750ml

    Jambu, também conhecido como agrião-do-pará, é uma erva típica da região Norte do Brasil e seu destilado é uma bebida de gosto bem inusitado.

  • Por: R$ 38,00
    Comprar

    AGUARDENTE SALINAS 600ml

    A cachaça Salinas é produzida na cidade de Salinas (Capital Mundial da Cachaça) na região do vale do Jequitinhonha.

  • Por: R$ 37,50
    Comprar

    AGUARDENTE BEM ME QUER AMBURANA PRATA 700ML

    AGUARDENTE BEM ME QUER AMBURANA PRATA 700ML